Carreira, Programação

Programação para iniciantes: 8 dicas práticas.

Tempo de leitura: 8 min

Salve, programadores. Hoje falaremos acerca de um tema extremamente interessante e importante para aqueles que desejam seguir na carreira de programação.

Naturalmente, as expectativas de cobrança desse assunto se voltam, muitas vezes, à idade (só “jovens” sabem programar),ou dom ou como muitos tendem a falar “ah, você leva jeito para essas coisas de tecnologia”.

Já adianto: não existe idade “certa” para começar a aprender a programar, muito menos pode ser entendida como algo que já nasce com esta aptidão. Não é isso.

Adianto a você, amigo(a) leitor(a): é normal ter alguma dificuldade no início, faz parte. Mas, sempre existe aquele pessoa que aprende com uma maior facilidade.

Sim, sempre existirão pessoas assim. Sobre isso, o que posso sugerir é que você não use uma “régua” para medir o que o outro já sabe, cada um tem um tempo para aprender. Não faça isso. Você só vai se frustrar. Por isso: foque em você.

Se há quem aprenda em um dia; mas, talvez, existam outros que precisem de um tempo maior para isso. Como falei antes, faz parte. O que vale é você aprender e pronto. O tempo que você leva para aprender a programar não te define. Você não pode desistir.

O importante é focar em você, no que você já sabe, no que pode aprender, no que pode aprimorar. Ou melhor, quais são os limites que você têm e que podem ser superados com treino e prática ? Como posso me tornar um programador melhor hoje ? O que posso aprender de novo que irá alavancar o meu conhecimento ? São perguntas simples, mas que podem fazer uma diferença na sua vida, caso as coloque em prática.

Desenvolver a habilidade de pensar de forma lógica te dará uma grande vantagem para se ter mais “facilidade” em resolver problemas voltados ao setor de computação, de TI, por exemplo. Por isso, entender o conceito de algoritmo é uma boa forma de começar.

Veja bem, a intenção deste texto não é trazer a “melhores” ou as “únicas” dicas que vão fazer você dominar este setor. Não é isso. São apenas sugestões para iniciantes que buscam ingressar nesta área. Vamos conhecê-las.

Dica 1: Qual tal entender a fundo o conceito de algoritmos?

Uma ressalva precisa ser feita: esta definição de algoritmo pode ser associado a outras áreas e não apenas a computação em si. Cocumente esta associada a computação.

Um exemplo simples para falar de outra área é a preparação de uma aula, que podemos associar ao algoritmo, pois exige uma sequencia de ações (instruções) com a intenção de que o resultado (aprendizado adquirido) ocorra; outro exemplo é a receita de um prato que requer passos a serem feitos (instruções) com objetivo do resultado (o prato feito) ser concluído. Todo mundo já esteve em uma aula ou já viu alguém fazer um prato.

Para criar software (que é a nossa área), este conceito e exemplos dados anteriormente podem ser associados a esta área tecnológica, porque o profissional programador precisa dar estas instruções de forma clara e precisa para o computador executar as tarefas escolhidas pelo programador, por meio de uma linguagem de programação.

Essas informações que chegam ao computador são feitas em forma de código e precisam ser bastante claras e específicas, para que não exista ambiguidade, ou seja, um duplo sentido para a máquina entender.

Um exemplo simples disso é: se eu te pedir para ir a dois lugares ao mesmo tempo, você conseguiria ? Isso não te deixaria confuso e com uma ação difícil de se fazer? Ou seria mais claro eu especificar para que lugar você deve ir, de forma clara? Com certeza, a clareza para onde você deve ir é fundamental para excluir qualquer ambiguidade.

Com o computador não é diferente, por isso as instruções devem seguir uma sequência logica.

Como a representação de algoritmo pode ser aplicada em vários contextos, como fluxograma, uma lista de afazeres. Por este exemplo, notamos que não existe uma regra geral que indique ou ajude a formalizar a representação de algoritmo.

Isso pode dificultar um pouco quem está iniciando na área e aprendendo a sua primeira linguagem de programação.

O ideal é compreender a estrutura básica de um programa, a forma como ocorre uma variável, os tipos diferentes de variáveis e os laços de repetição, tudo isso é fundamental para você entender como funciona a programação.

Saiba que no começo esses termos que falei agora podem parecer estranhos e é normal ter dificuldade para aprender.

Após praticar bastante e quando você se familiarizar mais, se sentir mais preparado, com este maravilhoso universo de códigos. Você pode começar a codificar no computador; mas, veja bem que esta progressão na programação, ocorrerá aos poucos e não de um dia para o outro.

Quando se adquire o entendimento de programação, a linguagem escolhida vai ser mais um aporte, ou seja, uma forma que você escolheu para por em prática aquela lógica.

Com isso, você conseguirá se acostumar as muitas linguagens existentes que servirão, dependendo do problema que você vai buscar resolver.

Portanto, para quem está começando, o ideal não é focar na “melhor” linguagem ou buscar saber todas as linguagens. O ideal é sem dúvidas é se deter a evolução da lógica, dos passos a passos, ou seja, desenvolver uma forma de pensar e isso não acontece de uma vez.

Entender a lógica é a base para depois ingressar na linguagem de programação e com isso programar.

Ao aprender isso, você estará com um bom domínio e certamente irá ter “facilidade” ao programar.

Dica 2: Pratique desafios todos os dias

Não adianta resolver problemas apenas um dia e o resta da semana não ter disciplinar para manter o foco em programar. A programação exige um comprometimento diário.

Uma escola virtual que investe em práticas de programação é a “Trybe” foca em muita prática e em projetar os alunos para o mercado de trabalho, mas eu vou deixar claro, que ela é paga.

Caso você não possa pagar, sem problemas. Na semana passada fiz um post que traz sites que ensinam a programar de graça.

Leia também: Qual a melhor linguagem de programação para começar?

Então foque em resolver problemas todos os dias para que você adquira mais habilidade na hora de executar os comandos. Sejam para solucionar bugs, criação de laços, trabalho com variáveis e outras. O que importa é exercitar, ou seja, criar códigos.

Dica 3: participe de comunidades

A princípio, a atividade de programar (de um modo geral) remete a algo individualizado, ou melhor, é você que desenvolve os códigos. Por mais que pareça isso. É relevante fazer parte de comunidades na área de tecnologia.

Sabe quando o código fica dando “erro” e não se sabe como solucionar e muito menos descobrir o motivo que o originou. Sabe quando você quer aprender uma técnica nova; aprimorar um código e entre outras dúvidas que ecoam quando estamos programando.

Entender qual lógica aquela pessoa usou para resolver aquele problema. Você também pode compartilhar um código que você desenvolveu para outros colegas.

Tudo isso é relevante quando estamos querendo aprender sempre mais e com isso melhorar nossas habilidades na área de programação.

Pensando nisso, é relevante fazer parte de uma comunidade que discuta questões ligadas a programação, fóruns que focam responder dúvidas sobre programação.

O mercado de trabalho gosta de profissionais que não buscam ficar na zona de conforto. Nada disso. Quanto mais se aprende, mais apto você estará para ingressar no mercado de trabalho.

Dica 4 – Descubra o que você mais gosta

Ao começar a programar é interessante você ter em mente projetos que você deseja criar, seja uma rede social ou aplicativo para celulares.

Quando se tem em mente objetivos a serem alcançados, sejam eles pequenos ou grandiosos, você acaba criando pequenos obstáculos que você irá superar com o decorrer da sua experiência e novos conhecimentos adquiridos.

Ou melhor, você se habilita a estar preparado a novos desafios e com isso você descobre também, o que mais lhe agrada na área.

Por exemplo, há profissionais que gostam mais de desenvolver sites, mas existem os que gostam mais de mobile. Só dá para saber na prática,

Ao saber o que mais gosta, você estará ao mesmo tempo criando ainda mais vontade para permanecer na área. É uma forma de ter motivação.

Compreender o que mais te agrada torna-se uma forma de se manter assíduo com a área de programação, além de definir uma das várias possibilidades de emprego que o mercado de TI oferece.

Dica 5: Devo pular etapas ?

Vou começar falando sobre isso com uma comparação simples. Se você quiser aprender a fazer um bolo de uma vez e não busca aprender o tempo de cada ingrediente e com quais ingredientes podem ser feitos misturas, com certeza o bolo não sairá com um bom gosto.

E por isso talvez você não queira mais fazer bolo.

Se você observar o exemplo dado, entendemos que, ao pular etapas, não se conseguirá atingir os objetivos planejados. Por isso seguir as etapas, ou seja, o passo a passo é fundamental para progredir nesta área.

Muitos programadores que estão iniciando pensam que podem pular etapas, por exemplo, não precisa fazer exercícios todos os dias e nem entender por completo os significados dos códigos. Como se estivessem em busca de algo “fácil” e que não exige esforço e disciplina e assim pulam etapas.

Não faça isso. Sempre busque seguir um passo de cada vez. Existe uma frase que pode ajudar que é “ o que preciso saber fazer para que eu consiga executar essa tarefa ?”.

Só é recomendado passar para outras etapas, se você perceber que já tem o conhecimento necessário.

Saber o básico como pensamento lógico e algoritmos te dará mais confiança na hora executar os comando.

Falo isso, porque, ao saber executar uma etapa básica, a etapa intermediária ou avançada não ocorrerá com tanta dificuldade como estruturar bem os códigos de forma limpa sobre a sintaxe e estrutura de laços, por exemplo.

Tudo isso irá ser feito de forma mais natural. Porque as etapas anteriores você já domina. Por isso não é recomendado pular etapas .

Dica 6: Dominar uma única linguagem de programação é ruim ?

No mercado de trabalho, dominar, a fundo, uma linguagem de programação pode ser um diferencial para te contratar, pois cada linguagem vai ter suas características e demandas no mercado de trabalho.

Por isso, no início, busque saber qual linguagem se aproxima mais do que você pretende fazer na sua vida profissional.

Ter foco para aprender uma linguagem exige muito estudo e prática, mas os resultados são gratificantes. Por isso não existe linguagem “boa” para começar a programar. Não existe necessariamente uma ordem rigorosa para se começar a programar.

Caso você escolha C, Java, PHP e outras. A intenção é ter um conhecimento elevado em uma linguagem, pois elas possuem um setor que precisa de seu uso.

Mas se vocês quiserem saber se tenho uma dica para iniciar os estudos em programação. Tenho uma sugestão. Eu sugiro começar por uma que considero prática que é a “Lua”. Indico o canal do blog

Se você quiser saber mais detalhes de como usá-la. Do básico ao avançado. Tenho muitos vídeos que explicam Lua, suas características. Inclusive temos um vídeo que ensina “aprenda Lua em 20 minutos” e muitos outros sobre outras dicas de programação.

Dica 7: Depuradores, preciso ?

Depuradores são programas, ferramentas que ajudam o programador identificar a execução do programa, parar aquela tarefa, ativar pontos de parada, modificar área de memória. Estou falando de forma bem sucinta para não perder o foco do texto.

Mas muitos programadores que estão iniciando acham que usar depuradores vai tirar sua autonomia em criar códigos. Não é isso. Pelo contrário, ele vai agilizar seu domínio na programação.

Não é vergonha nenhuma recorrer a depuradores ( em inglês se chama de debugger) que te ajudarão a encontrar os bugs nos códigos, ainda mais quando se está começando a aprender. Eles ajudam de uma forma tão produtiva que com eles você consegue entender o motivo do erro que gerou o bug. Eles ajudam a ganhar tempo e isso faz com que você fique mais produtivo.

Dica 8: Existem cursos voltados a iniciantes na programação ?

Claro que existe. Veja alguns:

Estes são apenas alguns sites que trabalham com programação para iniciantes, porém não são os únicos.

Considerações finais

A nossa intenção é que as dicas sejam pertinentes para quem esteja no inicio dos seus estudos. São dicas que podem potencializar seu conhecimento na área, ao entender que a programação exige disciplina e foco para que consigamos concretizar nossos desejos.

Ter sugestões como essas, podem facilitar o seu ingresso na programação, já que você não precisará “especificamente” ir direto a linguagem de programação.

Como vimos, existem outras maneiras de se começar a programar. O objetivo deste texto é facilitar a sua aprendizagem neste setor ao apresentar orientações e dicas que auxiliem na sua carreira de programação.

Aproveito a oportunidade para convidá-lo(a)s para integrar a nossa comunidade; conhecer cada vez mais esse fascinante universo.

Mas, para isso, gostaria que você se inscrevesse na nossa newsletter que estará repleta de conteúdos como o que foi abordado. Contamos com a “presença” de vocês. Fiquem por dentro e nos acompanhem.

Referências:

https://www.people.com.br/noticias/informatica/8-dicas-para-comecar-a-aprender-a-programar

https://blog.gama.academy/13-dicas-para-aprender-a-programar/

https://www.educamundo.com.br/blog/dicas-aprender-programar

4 dicas para aprender a programar do zero | Blog do Educamundo

https://blog.betrybe.com/tecnologia/pseudocodigo/

https://www.devmedia.com.br/logica-de-programacao-introducao-a-algoritmos-e-pseudocodigo/37918

https://www.youtube.com/channel/UC3BYDTNvlhSKP8ZlcPzcCyg

2 thoughts on “Programação para iniciantes: 8 dicas práticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.